SAUDADES

SAUDADES

Eu já amei muitas vezes
Até brinquei com o amor
Confesso fui inconsequente
Não dei o devido valor.

Hoje cantando este samba
Fico saudoso a lembrar
Rosilda, Meire e Márcia
Rosângela, Isabella e Rosa.

O tempo passou tão depressa
Que sequer pude perceber
A juventude passando
E os anos somando e somando.

Trago comigo a certeza
De ter vivido sem medo
Se estava no amor acertando
Ou se estava errando.

Mas confesso, sinto saudades,
Dos momentos que não voltam mais
São tempos idos e vividos
Ecoando nos meus ouvidos.

Saudades, saudades, saudades,
Saudades, saudades, saudades,
Saudades, saudades saudades,
Saudades, saudades, saudades.

Anúncios

CUMPRIMENTO DA MISSÃO

CUMPRIMENTO DA MISSÃO

Os momentos no arquivo do tempo
São como estrelas brilhantes
De tempo em tempo voltam a iluminar
As lembranças de quem os veveu
Na construção da própria história
Iluminando os caminhos que ele percorreu
Revivendo neles, o que viveu,
Com a mesma intensidade
Da primeira vez que aconteceu.

Como carro funcionando
Com os faróis focados pra trás
Iluminando pontos específicos
Para que sejam revistos
Os valores que deles emanam
Em forma de aprendizado.
Para que sejam traçados
Os rumos a serem seguidos
Com menos possibilidades de errar.

O legado individual de uma vida
É um valoroso livro escrito
Por aquele que teve a honra de vivê-la
Na realidade do que foi combinado
Em um momento do passado
Em forma de meta traçada
E um compromisso assumido
Como indispensável missão humana.

LÍDER INCONSEQUENTE

LÍDER INCONSEQUENTE

A democracia permite
Ao cidadão comum manifestar-se
Em relação às demandas da nação
Assim como às ações dos seus gestores
De forma livre a expressarem-se
Manifestando as suas opiniões
Independente de elas estarem
Fundamentadas ou não
Na ética, na moral e na razão.

Já aos ditos representantes do povo
A ocuparem os cargos eletivos
Em especial ao líder maior da nação
As suas palavras ganham dimensões
Incalculável onde elas poderão chegar.
E o peso que elas terão
Nas ações a serem deliberadas.
Por esse motivo eles têm
Que serem vigilantes no que falam
E na semantica das palavras usadas.
Devido ao peso que elas têm
Por saírem de uma autoridade constituída
Conforme legislação do país.
Deixando assim de serem
Apenas cidadãos comuns.

Mas infelizmente no momento
O chefe do governo brasileiro
Ainda não se deu conta disso.
Fala de forma vulgar e inconsequente
Usando expressões como se ele estivesse
Na porta de um boteco entre amigos
Falando aos quatro ventos
Sem primeiro analisar o que fala.

Isso o leva a provocar
Discórdias em todos os níveis
Ultrapassando as fronteiras do seu país
De forma negativa a colher
Resultados que o povo brasileiro não merece.
E muito menos é, e será,
O que os brasileiros dele esperam.

Autor: Ademildo Teixeira Sobrinho

INDEFESO ELEITOR

INDEFESO ELEITOR

Basicamente o que define um partido político, é a sua ideologia!?
Mas, será que existem mesmo ideologias distintas?
Ou tudo é a mesma coisa?
Uma vez que as necessidades humanas são as mesmas!
Principalmente a ganância dos políticos.
A sede do poder! E o poder dizer sou!
Mesmo, precisamente, não sendo, quem ele diz ser.

Se aprofundarmos um pouco mais
Chegaremos a conclusão
Que o objetivo maior
É provocar a divisão e a subdivisão da nação
Por meio do fantasioso poder dizer:
Sou da direita, centro ou esquerda!
Assim como a sigla partidária!
Dividindo assim o país
Em várias nacionalidades.
Conflitantes entre si, como sigla!
E definição, se, de direita, centro ou esquerda.
Com o objetivo obscuro de atender
O corporativismo das classes sociais elitizadas.
Deixando com as migalhas em forma de favor
As classes sociais excluídas.

É doloroso saber
Que a vaidade do poder dizer:
Sou isso, ou aquilo!
Eleva o ego do sujeito
Como se a definição do lado,
Ou da sigla partidária
Definisse as demandas sociais,
Assim como as individuais.
Fazendo que o indefeso eleitor
Ao escolher os seus representantes
A assumirem os cargos eletivos
Vá a urna com o peito estofado
Semtindo-se autoridade.
Porém, em seguida à esse ato
Torna-se um cidadão comum
Com as mesmas carências dos demais
Tão desassistido quanto…
E desconhecido por aqueles
Os quais ele ajudou eleger.
Essa é a colheita que o eleitor faz
Por meio da sua definição de lado,
Assim como da sigla partidária.

Autor: Ademildo Teixeira Sobrinho

REINO DOS DIVERGENTES

REINO DOS DIVERGENTES

A intenção não é questionar
Os desígnios do criador.
E sim querer entender
A diversidade humana
Nas suas atividades
Fundamentadas no querer ser
Na sua individualidade.

O ser humano na variedade
Dos seus seres e saberes
Individualmente cons uitroem
Cada um a sua verdade
Estruturada no acreditar
Que o seu entendimento é verdadeiro.
Enquanto o do outro não.

Na conversação diária
Isso nos leva ao entendimento
Que muitas verdades existem.
Uma vez que o relato de uma história
Por pessoas diferentes
Mesmo sendo narrativas
De um só acontecimento
Seus detalhes não batem.

Essa mesma história
Ao ser contada e recontada
Na narrativa de quem a ouviu
Ganha elementos que muitas vezes
Na narrativa originária não existem.
Mesmo que intuitivamente
Ele não tem a pretenção
De alterar a história real.

O mais complicado é saber
Que entre os seres e saberes
Cada um tem o seu ideal.
Esse ideal ao ser conduzido
Tendo-o como objetivo
A partir de uma opção feita
Define os caminhos a serem seguidos.

Por mais que existem parâmetros:
Do a ser feito, e como?
Muitas vezes o sujeito não consegue
Identificar a opção certa.
Porém a sua convicção
O leva a acreditar
Que está com a razão.
Quando verdadeiramente
No seu entendimento está.

Isso ao ser avaliado
Por outros seres e saberes
Pode não ser aceito.
Invés de apoiadores
Tornam-se opositores.
Dependendo da radicalidade
Imposta por ambos os lados
Pode gerar, e gera conflitos.

Esses conflitos radicalizados
Têm como consequências
Guerras e suas tribulações
Travadas pela imposição
Que um impõe sobre o outro
Como se dono da verdade
Retirando qualquer possibilidade
De por meio do diálogo
Reestabelecer a paz.
Assim, os divergentes reinam.

VERBO CANTAR

VERBO CANTAR

Eu canto, tu cantas, ele e ela cantam,
Nós cantamos, vós cantais, eles e elas cantam!
Melhor que conjugar o verbo cantar
É a prática do ato de cantar!
Se o momento for inoportuno
Para a tua voz ecoar
Não desista.
Em silêncio, cante, para si mesmo.
Mas, jamais deixe de cantar.
Cante em qualquer lugar.
Como diz o ditado:
Quem canta os males espanta!
A prática do ato de cantar
É a autoimunização que temos
Das coisas ruins que existem.
As quais estão ao nosso arredor.

Eu, canto aqui!
Tu, cantas ali!
Ele, canta acolá!
Ela, também canta!
Nós, cantamos em todos os lugares!
E se vós, também por certo cantais!
Com certeza eles e elas também cantam.

Não tenhas dúvidas amigo:
Colocando o verbo cantar em ação
Estaremos fazendo que seja
Duradouro em nós o prazer
Da paz, do amor e da mansidão.
Estaremos permitindo que as palavras
Por nós pronunciadas no ato de cantar
Viagem a velocidade do som
Adentrando corações solitários,
Corações amantes, e amados,
Fazendo-os transbordarem de emoção.
Não só ao se lembrarem a distância,
Mas, também no momento do encontro.

Cante, cante e cante!
Em todos os momentos da vida
Pratique o verbo cantar
Com a certeza que tu terás
A felicidade à tua volta.
Assim, como nós somos e seremos
Eternamente amantes, amados e felizes
Por sermos cantadores.
Assim queremos ser, por todo o sempre.

Autor: Ademildo Teixeira Sobrinho

EU SEM VOCÊ

EU SEM VOCÊ

Eu quero…
Falar de amor
Pra quem eu mais amo.
Fazer amor
Com quem eu
Mais amo.
Viver o amor
Com quem eu
Mais amo.
Sem preocuparmos
Que a noite
Vai acabar.
Pra que meus sonhos
Sejam todos
Realizados.

Eu vivo…
Como quem vive
Sempre a sonhar.
A flutuar
Nas coisas
Do coração.
Entre os limites
Do amor
E da razão.
Deliciando
O sabor
Da paixão.

E desse jeito
Vou vivendo
Minha vida.
Tendo você
Como motivo
Pra eu viver.
Eu sem você
Nem posso
Imaginar.
Ao meu redor
Tudo vai
Esmoronar.