CONVIVÊNCIA SOCIAL

A convivência social, é interessante! nela, ninguém nunca está sozinho! Em maior ou menor número de pessoas, sempre tem alguém manifestando suas afinidades. E assim constroem vínculos sociais importantes, mesmo provocando divergências.

A manifestação de afinidade, muitas vezes, vêm de pessoas que sequer imaginava. Isso é bom! O acirramento dos embates a discutirem, as demandas sociais, faz parte! Mas, uma coisa não pode esquecer… A conclusão final dos embates, tem que ser fundamentada, de forma ampla e democrática, para atender a abrangência, de todo o social. Assim a construção dos parâmetros, por certo serão melhores definidos e traçados.

Quando o ato, de definir e deliberar ações, sem a participação das frentes opositoras, na construção do ideal, acontece, e querem que elas prevalessam, é atitude unilateral. Os resultados, podem não atenderem as demandas, dos demamtamtes. Neste caso, as soluções alcançadas, podem deixar lacunas, no resultado final das ações. 

O ideal é que a construção das soluções, sejam discutidas e deliberadas, na amplitude do âmbito social, mesmo com seres e saberes divergentes. Desta forma o rumo a ser seguido, por certo chegará, à individualidade dos demandantes, com mais poder de atendimento, para os seus anceios e desejos. Assim a convivência social, tende a ser mais harmoniosa.

Autor: Ademildo Teixeira Sobrinho