SE EU FOSSE ÁGUIA

SE EU FOSSE ÁGUIA

Se eu pudesse…
Como a águia eu iria voar!
Voando lá nas alturas
O infinito eu iria contemplar!
Desde as nascentes dos rios
Aos mares onde desaguam.
Sobre os leitos onde águas escorrem
Entre serras, picos e cordilheiras
Cristalinas águas formando cachoeiras
A ecoarem nas suas ribanceiras.

Nas planices de singular explendor
Borboletas, abelhas e beija-flores
Degustando o néctar das flores
Entre vôos rasantes a deram.
Animais de várias espécies
Também iria conhecer em meio
Ao habitat natural.

Ah! Se eu fosse águia!?
Quanta coisa eu iria fazer!?
Longas distâncias eu iria voar
Em terras distantes eu iria pousar
Sem os limites das fronteiras
Imaginadas por seres humanos.
Por certo eu iria fazer planos
Ao ver distante a preza.
Ah! Se eu fosse águia…!?

_______________________________

VIVENDO E APRENDENDO

O poeta como transgressor dos limites
Indo além do senso comum predominante
De valores desde os pequenos momentos
Ao maior movimento da vida.
O qual… É a própria vida.

Ele tem consigo a arte de usar
A semântica das palavras
Na formatação do lírico da vida
Valorando a arte de viver
Onde duas palavras ou mais…
Descrevem o sentimento e o entendimento
Da vida como principal momento
Vívido em uma existência.

O poeta ao percorrer os caminhos
Traz na sua essência o dom
De por meio das palavras elevar
O ego e o desejo de viver, dizendo:
“Viver… e não ter a vergonha de ser feliz”!
Ou “Coração de estudante”! Dentre…
Os quais, elevados ao todo da vida, dizem:
Um… Ser eternamente feliz!
O outro, coloca-se como eterno aprendiz!

Assim, o sujeito ao ter a vida
Como seu maior meio de ser
Valoriza-a em todos os momentos
Por poder da arte viver.
Tendo-a como seu maior palco
Independente de ser drama ou não.
Este é o poeta: “Vivendo e aprendendo a viver”.

_______________________________

DESEJO DE VENCER

A vida na sua dinâmica
É barco a deriva no mar.
Por mais que o marinheiro conheça
Os segredos do movimento das águas
Quando o vento está a soprar.
Dependendo da direção
O marinheiro na decisão
Corre o risco de errar.

Na luta da sobrevivência
O marinheiro como exemplo
Além do conhecimento
Tem que contar com a sorte.
Tem que querer, acreditar e seguir
Rumo ao porto o qual
Ele está a buscar.
O desejo de chegar lá
Tem que ser o azimute
Para na aventura continuar.

Se para o marinheiro ventos calmos
Dá mais segurança ao navegar.
Para o condutor da vida
É sinônimo de vida longa
Com amor, harmonia e paz.
Como bons atletas que são
O marinheiro e os demais
Têm que ter o desejo de vencer.

Anúncios

EXTREMOS DA VIDA

EXTREMOS DA VIDA

Em meio aos extremos da vida
Sinto-me mais empenhado
Com a questão… “ser ou não ser,
Eis a questão”. Pois:
O pensador ao pensar e questionar
Induz nos também assim procedermos
Como “seres” pensantes que somos.
Com o poder de também questionar.

Eu… Aluno pensante que sou!
Neste mundo de extremos vivendo
Em meio as discionancias sociais
Com discrepantes numerais
Entre os poucos que muito têm
E os excluídos sobreviventes da vida.

Como defensor pequenino que sou
Em defesa dos pequenos excluídos
Sinto-me impedido na atuação
Por falta dos veículos de comunicação
Para a defesa deles fazer.

Restando-me apenas os versos
Construídos com rimas e sem
Fazendo por meio deles
Defesas lícitas e éticas.
Como poeta nato que “sou”
Narrando os extremos eu vou
Na esperança de ser útil à todos.

______________________________

DEPOIS DE TANTO TEMPO

No céu estrelas brilhantes
Entre nuvens o vento a levar
Enquanto a lua… Explendida lua
Entre elas também a mostrar-se.

Na terra o murmúrio do vento
Interrompendo o silêncio da noite
Parecia estar a dizer-me
Em breve ela voltará.

Eu, a solidão e a saudade
Da janela a estrada a olhar
Esperando a qualquer momento
Teu corpo sedutor contemplar.

O tempo passou como o vento
Com eles a noite também
Enquanto eu da janela estava
O sol no horizonte a olhar.

Hoje… Depois de tanto tempo
Parece que ainda sinto
Teu perfume ao vento exalar.
E a saudade dela a matar-me.

_______________________________

FENOMENO ATEMPORAL
(Obstáculos vencidos)

No caso de tempestade
Com vendaval a soprar
Em todas as direções
A capacidade humana
É testada e avaliada
Por meio dos desafios
Que ela está a enfrentar.

O enfrentamento dos desafios
Para o coadjuvante da vida
Proporciona-lhe o avançar
Em cada desafio superado
Os quais são transformados
Em obstáculos vencidos!
Assim o subir no pódio é certo
Quando no fim da vida ele deixar
Um bom legado a ser seguido.

Tempestade… fenômeno atemporal
De controle humano impossível.
A única coisa a ser feita por ele
É tentar amenizar os efeitos.
A tempestade e outros fenômenos
Que na vida humana acontecem
Assim como outras existências
Têm o por que de assim serem.
Eis aí os mistérios da vida.